Wednesday, June 19, 2024

Farfetch: análise dos rumores sobre saída da bolsa

Must read

Traduzido por

Estela Ataíde

Publicado em



29 de nov. de 2023

As ações da Farfetch têm enfrentado dificuldades nos últimos dois anos e meio, mas na terça-feira dispararam. No entanto, o salto não se deveu a resultados impressionantes por parte da empresa, mas sim a informações de que o fundador José Neves pretende tirá-la da bolsa.

DR

Então, o que aconteceu exatamente para despertar o interesse pelas ações?

O jornal britânico The Telegraph  reportou no início da noite (horário do Reino Unido) que se acredita que Neves esteja em conversações com “banqueiros e principais acionistas, que incluem a Richemont, proprietária da Cartier, relativamente um acordo que colocaria um abrupto ponto final na sua curta, mas calamitosa passagem pela Bolsa de Valores de Nova Iorque”.

A notícia indica também que a Richemont ofereceu apoio provisório a este plano, assim como outro grande patrocinador, a gigante chinesa Alibaba.

A Bolsa de Valores de Nova Iorque ainda estava em pleno modo de negociação naquele momento e o preço das ações disparou.

Relatório de resultados cancelado

O jornal avançou ainda que o plano de José Neves de tirar a empresa da bolsa “poderá ser anunciado em breve”. Mas, como a empresa deveria anunciar os seus resultados do terceiro trimestre na noite de quarta-feira, o único comentário que fez foi que “não anunciará os seus resultados financeiros do terceiro trimestre de 2023 e não realizará a sua teleconferência anteriormente agendada para 29 de novembro”, acrescentando: “A empresa espera fornecer uma atualização de mercado no devido tempo. A empresa não fornecerá quaisquer previsões ou orientações neste momento, e quaisquer previsões ou orientações anteriores não deverão ser consideradas.”

A Richemont está envolvida?

E a Richemont? Inicialmente, a empresa manteve-se em silêncio, mas na manhã de quarta-feira o grupo de luxo emitiu um comunicado que não confirmou a reportagem.

A empresa, que em 2022 acordou vender a Yoox Net-A-Porter à Farfetch, disse: “Após as recentes reportagens e anúncios feitos pela Farfetch a 28 de novembro de 2023, a Richemont gostaria de lembrar aos seus acionistas que não tem obrigações financeiras para com a Farfetch e observa que não prevê emprestar ou investir na Farfetch. A Richemont está a monitorizar cuidadosamente a situação, incluindo a revisão das suas opções em relação aos acordos com a Farfetch anunciados a 24 de agosto de 2022, que permanecem sujeitos a determinados termos e condições pendentes. Nem a Richemont Maisons nem a YNAP adotaram atualmente as soluções da plataforma Farfetch e continuam a operar nas suas próprias plataformas. A Richemont fará um novo anúncio se e quando for apropriado.”

Farfetch

Percurso como empresa cotada em bolsa

Há cinco anos, as ações da Farfetch flutuavam originalmente na Bolsa de Valores de Nova Iorque a pouco menos de 19 dólares cada, e registaram alguns altos e baixos antes de subirem para mais de 73 dólares cada em fevereiro de 2021. Mas, têm estado numa trajetória descendente desde então – caindo visivelmente depois da empresa anunciar a aquisição do New Guards Group, uma vez que a propriedade da marca era considerada muito mais arriscada do que o original modelo de marketplace  sobre o qual foi fundada.

E as ações caíram para 1,65 dólares na terça-feira, antes de saltarem para 2 dólares cada devido à especulação de saída da bolsa. Claro que ainda se trata de um valor muito baixo e dá à empresa um valor de mercado inferior a 750 milhões de dólares, bem abaixo de algumas das elevadas avaliações que alcançou durante 2021.

José Neves fundou a retalhista digital em Londres há 15 anos e, embora a sua participação na empresa seja de apenas 15%, a estrutura acionista de duas classes da empresa significa que tem 77% dos direitos de voto, pelo que está claramente no controlo do negócio.

O que levou às dificuldades das ações

O seu período instável como empresa cotada em bolsa deveu-se às perdas contínuas do negócio e – como mencionado – à aquisição de outras marcas. Embora seja um interveniente extremamente importante no retalho da moda de luxo, a sua estratégia de expansão nem sempre correu conforme o planeado, como demonstrou a sua mudança e afastamento da beleza.

Embora os investidores sejam muitas vezes muito indulgentes com as empresas em modo de crescimento que ainda registam prejuízos, parecem ter perdido a confiança na capacidade desta em particular de reverter a situação em breve. No entanto, a Farfetch continua a ser uma das principais retalhistas de luxo do mundo, sendo proprietária algumas das principais marcas de moda, e a ideia de que José Neves preferiria afastar-se do brilho da bolsa de valores faz muito sentido. Teremos apenas que esperar para ver.

Copyright © 2024 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Latest article