Monday, June 17, 2024

Bruno Pavlovsky otimista com um belo 2023 leva Chanel para Manchester mantendo a Métiers d’Art

Must read

Traduzido por

Helena OSORIO

Publicado em



11 de dez. de 2023

Num movimento inesperado, a Chanel levou esta semana a sua mais recente coleção Métiers d’Art para Manchester, aproveitando a energia da cidade num grande desfile.

Num movimento inesperado, a Chanel levou a sua mais recente coleção Métiers d’Art para Manchester – Chanel

Durante toda a semana, a maison organizou eventos pela cidade: deu um jantar oferecido por Daniel de la Falaise, o chef aristocrata da moda hipster, dentro do clube de boxe de tijolos vermelhos Salford Lads Club, na passada quarta-feira; então, na noite de quinta-feira, o show contou com a presença de embaixadoras como Kristen Stewart e Tilda Swinton.
 
Enquanto isso, na sexta-feira, estreou uma nova exposição impressionante ‘Manchester, Past, Present, Future’, criada pelas editoras veteranas Charlotte Stockdale e Katie Lyall. Um compêndio artístico de Manchester sofisticado e vibrante, extraído de uma edição especial patrocinada pela Chanel da sua publicação de moda brilhante Chaos 69.

Após o show, os convidados – estrelas, VICs, editores ou simplesmente muito belas – festejaram nos Victoria Baths, com um concerto épico do duo de rock alternativo Primal Scream, dentro da piscina abandonada. Foi uma festa organizada pelo chef Tom Barnes, que preparou uma versão deliciosa da clássica Torta de Peixe Britânica.
 
No entanto, a ação chave foi o último desfile da Métiers d’Art, uma coleção única criada há duas décadas para destacar os raros artesãos que o grupo Chanel foi gradualmente adquirindo numa holding conhecida como Paraffection.
 
Aproveitando referências britânicas de saias envolventes, fatos de tweed, malhas Shetland, vestidos baby doll e bonés de padeiro, mas misturados com raras habilidades artesanais francesas – botões de joias, bordados e penas costurados em apliques, discos de vinil e flores Pop Art. Diante de um público de 600 pessoas, foi a coleção mais cool da designer da Chanel, Virginie Viard, para a maison no seu reinado de meia década, desde que sucedeu a Karl Lagerfeld.

A Chanel, de propriedade privada, não divulga os seus números de vendas, mas as receitas anuais aproximam-se dos 20 mil milhões de euros.

Bruno Pavlovsky – Chanel

Então, sentamo-nos com o presidente de moda da Chanel, Bruno Pavlovsky, e com o homem que também supervisionou a criação da Paraffection, nos bastidores do desfile – a Bay Horse Tavern, na Thomas Street.
 
Fashion Network: Por que estamos em Manchester?

Bruno Pavlovsky: Virginie realmente queria vir para Inglaterra por vários motivos – cultura, música e inspiração. Mas não para Londres, pois já o fizemos suficientemente. Queríamos uma cidade que representasse Inglaterra – a sua energia, música e ideias misturadas com criatividade, por isso aqui estamos em Manchester.
 
Na minha opinião, há uma discrepância entre quantas pessoas veem a Chanel e a forma como é percebida numa cidade dinâmica como Manchester, berço da revolução industrial abençoada com uma bela energia.
 
Virginie queria buscar inspiração e conectar-se com a energia moderna, o cenário artístico e a música daqui. E a Thomas Street encarnou parte dessa história, uma rua de algodão que já foi famosa pelos seus tecidos e hoje abriga lojas de moda, pubs e bares de tatuagem.

FN: Por que é importante que as mostras Métiers d’Arts viajem tanto?

BP: Bem, poderíamos facilmente permanecer em França, mas gostamos de seguir as ideias de Virginie e nesta estação é Manchester. No ano passado, quis ir para África. E depois de considerarmos isso, percebemos que Dakar era a escolha certa. É importante viajar em geral, mesmo que tenhamos visto grandes mostras da Métiers d’Art em Paris. Viajar faz respirar outra cultura, como em Dakar ou Manchester, o que é ótimo para uma marca francesa como a Chanel.
 
Que é também o que queríamos alcançar com esta questão da Chaos. A descoberta de muitas camadas de uma cidade e de uma cultura. O que Manchester significa e representa, numa exposição em Victoria Baths que mostra porque a Chanel está tão interessada no MCR.
 
FN: Como a abordagem variou de Karl para Virginie?

BP: Na minha opinião, Karl e Virginie são muito diferentes. Virginie tenta escolher uma nova tela para cada colaboração, ao mesmo tempo que as suas ideias nutrem e sustentam os códigos da marca. Devo dizer também que nunca houve tantos clientes entrando na nossa boutique. Virginie está a trazer o seu próprio toque para cada coleção – mais livre e fluida, mesmo que eu não goste muito de a comparar com Karl.
 
FN: A idade dos seus clientes ficou mais jovem com Virginie?

BP: Não gosto de reduzir a discussão a isso. Temos um leque de clientes muito vasto, ainda que em todos os casos encontremos uma clientela mais jovem a entrar nas nossas boutiques e a descobrir a marca. Não porque as suas ideias e designs sejam mais simples, muitas vezes querem o que é mais sofisticado. Então, eu nunca olho realmente para a ideia de idade. Penso que bloqueia a sua visão – a Chanel é uma ideia muito grande em termos de estilo, silhueta e expressão.
 
FN: Quais foram as duas primeiras empresas adquiridas pela Paraffection e porquê?

BP: Desrues para botões e Lesage para bordados – e depois rapidamente adicionamos Lemarie e Maison Michel. O querido Monsieur Desrues faleceu de ataque cardíaco e tivemos de comprar o negócio imediatamente. Foi a nossa única fonte de botões – e ainda fabrica a maioria dos nossos botões, e para muitas outras grandes marcas.
 
Quando criamos a 19M, não esquecemos que essas maisons sempre trabalharam com muitos clientes – esse era o seu modelo de negócio. Foi necessário, pois certas marcas não tiveram o mesmo sucesso ao mesmo tempo. Então, aceitamos naturalmente esse elemento no seu modelo de negócios. O nosso papel é livrar essas maisons de todos os problemas administrativos para que se possam concentrar na criação. Não é que guardemos o melhor para a Chanel – já que o que lhes pedimos é muito diferente do que outras maisons. Isso ajuda a garantir a sua perenidade.

A coleçãoMétiers d’Arts da Chanelaproveitou referências britânicas – Chanel

FN: Que tipo de ano a Chanel está a ter?

BP: 2023 será um belo ano; crescimento de dois dígitos. Mas a grande questão é que desde setembro continuamos a crescer de forma constante, apesar de as principais economias estarem a abrandar. Durante a Covid, os clientes da Chanel não podiam gastar dinheiro, especialmente em viagens – mas desde então regressaram em grande número às nossas boutiques. Já 2024 será mais calmo – haverá desaceleração, mas friso que não haverá queda. Mas, no geral, as perspetivas para o luxo ainda são muito boas. Vejo um futuro onde muitos empreendedores ganharão muito dinheiro e quererão gastá-lo. A fratura na sociedade entre os muito ricos e a massa popular continuará. E aqueles que estão no topo irão naturalmente recorrer a produtos de alta qualidade com uma história real. Além disso, a grande força da Chanel é que também temos uma base muito ampla em perfumes, cosméticos, acessórios e calçado e queremos manter isso mesmo que seja complicado agora.
 
FN: O que está a planear em termos de abertura de lojas?

BP: Aumentamos continuamente a qualidade e a pertinência da nossa rede em mais de 50 países para criar a melhor experiência de compra possível. Podemos abrir uma ou duas flagships por ano, mas não muito mais. Em Xangai, por exemplo, temos três boutiques – enquanto outras concorrentes contam com muitas mais.
 
Em Paris ou em Hong Kong trata-se mais da ideia de aumentar a nossa importância em cada cidade. O simples facto é que precisamos de boutiques maiores. Se antes as nossas lojas tinham entre 500 e 600 metros quadrados, agora precisamos do dobro. E isso é mais fácil na Ásia – à medida que os centros comerciais estão a crescer. Já na Avenue Montaigne e na Rue Cambon é muito mais difícil de fazer.
 
Temos também o ‘Chanel et Moi’ – um programa de serviços que já existia, mas agora está mais visível. Como quando um cliente nos traz um produto que apresenta um problema. E nós tornamos isso mais fácil – com um espaço de 40 metros quadrados em cada boutique para discussão diagnóstica, discreta, calma e íntima. Já que as lojas costumam estar muito movimentadas.

FN: Na Web a Chanel só vende perfumes e cosméticos, por que não pelo menos acessórios?

BP: Por que mudar? Sim, o e-commerce é ótimo, mas nosso cliente já está conectado com as nossas boutiques. A Web não pode oferecer uma boa experiência, exceto talvez sim para perfumes e cosméticos. Sinto que os nossos clientes estão apegados às nossas boutiques e a esse relacionamento – descobrir belos produtos com atendimento de primeira. Esse relacionamento é central e penso nisso todo o tempo.
 
FN: Quais são os segredos para garantir que a Chanel continue a ser uma marca de moda de luxo de sucesso?

BP: Investir em produtos e savoir-faire, e nas melhores matérias-primas, e nutrir a criatividade e a inspiração. E oferecer sempre produtos que tenham valor real – essa é a minha prioridade.
 
FN: Muitas das suas campanhas são filmadas por Inez & Vinoodh, por que existe uma afinidade tão forte com o seu trabalho?

FN: Eles têm uma grande cumplicidade com Virginie. Eles entendem o que Virginie quer e as suas ideias. Além disso, eles têm um grande talento e conseguem o que Virginie deseja em termos de projetar a sua imagem da Chanel.
 

Copyright © 2024 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Latest article