Saturday, June 15, 2024

Tornar a Farfetch novamente na moda é para os investidores um esforço

Must read

Por

Bloomberg

Traduzido por

Helena OSORIO

Publicado em



10 de nov. de 2023

Quando a Farfetch Ltd. chegou ao mercado numa oferta pública inicial de 7 mil milhões de dólares em 2018, promoveu-se como uma forma de explorar a enorme procura online de bens de luxo, sem as grandes despesas que tinham perseguido a rival europeia Yoox Net-a-Porter.

Tornar a Farfetch novamente na moda é para os investidores um esforço – Farfetch

A Farfetch, no entanto, provou ser tudo menos uma empresa de capital reduzido. A empresa já gastou pelo menos mil milhões de dólares em dinheiro desde a sua entrada na bolsa, quando deixou de ligar compradores de topo a boutiques e passou a ser uma mistura de mercado, loja de departamentos online, retalhista físico, empresa de tecnologia e proprietário de marca – uma desventura que a sobrecarregou com 1,6 mil milhões de dólares de dívida total e reduziu a sua capitalização de mercado para cerca de 630 milhões de dólares hoje, de um pico de 26 mil milhões de dólares em 2021, no auge da loucura online da pandemia.

As coisas não parecem muito mais promissoras operacionalmente. Através da desaceleração da procura de luxo, as suas metas de ser um negócio lucrativo antes de juros, impostos, depreciação e amortização e de gerar fluxo de caixa livre positivo este ano parecem excessivamente ambiciosas.

A empresa precisa de fechar o acordo com a Richemont para adquirir uma participação de 47,5% na YNAP, o que trará receitas adicionais. Deve também simplificar a sua atividade vendendo ativos, incluindo o New Guards Group, que gere a marca de streetwear Off-White do desaparecido Virgil Abloh. Se estas ações não forem suficientes para mudar a sua sorte, a empresa deve considerar a possibilidade de obter capital dos acionistas ou colocar-se à venda.

A Farfetch tem sido prejudicada pelo desenrolar de duas tendências pandémicas: o arrefecimento da procura de bens de luxo, depois de os consumidores terem esbanjado em relógios Rolex e mocassins Prada, e o regresso às compras em lojas físicas.

Mas a empresa também está a sofrer algumas feridas autoinfligidas, como a diversificação do seu negócio principal de mercado, com aquisições que incluem a New Guards, o revendedor de sapatilhas Stadium Goods, a famosa loja de moda londrina Browns e, mais recentemente, a retalhista de produtos de beleza Violet Grey para a lançar nos cosméticos e fragrâncias, uma estratégia agora abandonada.

No final deste mês, aquando da apresentação dos resultados do terceiro trimestre, a Farfetch terá de tranquilizar os investidores quanto às suas finanças a curto prazo e ao seu futuro a longo prazo.

A sua dívida inclui 600 milhões de dólares de notas convertíveis detidas em partes iguais pela Richemont e pelo Alibaba Group Holding Ltd. Existe uma opção para que estas sejam liquidadas em dinheiro ou ações em 2026. Dado que o preço das ações da Farfetch é consideravelmente inferior ao preço de conversão, existe o risco de estes instrumentos terem de ser reembolsados, o que poderia esgotar as suas disponibilidades, atualmente de cerca de 630 milhões de dólares.

É por isso que tem de concluir o negócio YNAP, previsto para o final deste ano. De acordo com a Bloomberg Intelligence, esta operação poderá acrescentar 3 mil milhões de dólares ao valor total das mercadorias vendidas pela Farfetch, uma vez que a maior parte das marcas da Richemont, incluindo a Cartier e a Van Cleef & Arpels, se juntarão à empresa. Esperava-se que a Farfetch processasse 4,4 mil milhões de dólares em encomendas este ano, de acordo com o consenso de estimativas dos analistas da Bloomberg, pelo que se trata de um grande salto.

Após a conclusão da primeira fase do negócio, que recebeu recentemente aprovação regulamentar, a Richemont disponibilizará uma linha de crédito de 450 milhões de dólares à YNAP, enquanto que a empresa terá 290 milhões de dólares em dinheiro no seu balanço.

Não é claro que a Farfetch possa aceder a este montante sem aumentar a sua participação no YNAP. No entanto, a transação aproxima a Farfetch e a Richemont. O grupo suíço adota normalmente uma visão a longo prazo e o luxo online tem sido um elemento fundamental da sua visão estratégica desde há muitos anos. Tudo isto faz com que seja menos provável forçar o reembolso antecipado das notas convertíveis.

No entanto, para garantir que este aumento de vendas também reforce os lucros, a Farfetch tem de acelerar os seus planos de redução de custos, que já implicam a redução de postos de trabalho e a diminuição da sua área imobiliária, e reduzir o investimento ao estritamente necessário.

A empresa nomeou recentemente um novo diretor financeiro, mas o fundador e acionista maioritário, o economista português José Neves, continua a ser o presidente e o diretor executivo. Dada a dimensão da tarefa da Farfetch, seria sensato dividir estas funções. A nomeação de um presidente ou de um diretor executivo forte para trabalhar ao lado de Neves aumentaria a capacidade de gestão.

A equipa de topo deve começar imediatamente a simplificar a empresa, reafirmando a sua autoridade sobre a atividade principal de ligar compradores e vendedores de luxo.

O New Guards Group é o candidato mais óbvio para a alienação. Para além da licença da Off-White, também gere a marca de streetwear Palm Angels e é o parceiro da Reebok fora dos EUA. Embora o acordo com a Reebok deva gerar vendas significativas, envolve um pagamento de mais de 300 milhões de dólares ao longo dos próximos 11 anos.

A LVMH, proprietária do nome Off-White, tem o direito de adquirir a licença desta marca em 2026 e está em negociações com a Farfetch para a retomar, segundo a Miss Tweed, o site de notícias de luxo. A icónica loja de moda Browns de Londres e o site associado também devem ser descarregados.

Se isto não conseguir colocar a Farfetch numa base mais firme, então terá pouca escolha senão levantar capital junto de investidores, incluindo potencialmente a Richemont, que deverá deter 12%-13% da Farfetch após a conclusão da primeira fase do negócio YNAP.

Outra opção seria a Richemont adquirir a Farfetch de imediato, numa repetição da transação de 2018, quando assumiu o controlo total da YNAP. Dado que o atual acordo para vender uma participação maioritária da YNAP visa livrar-se das perdas da retalhista online, este pode estar relutante em intervir.

Finalmente, a Farfetch poderia colocar-se à venda. Mas este não é o melhor momento para encontrar um comprador, dada a desaceleração do luxo, a pressão sobre as empresas tecnológicas e as taxas de juro mais elevadas, que restringem o poder de fogo do capital privado.

Nenhuma destas opções será fácil de executar. Mas sem uma ação radical, a entrega aos acionistas parece, bem, improvável.

Copyright FashionNetwork.com com Bloomberg
 
Mais artigos como este estão disponíveis em bloomberg.com

©2023 Bloomberg L.P.
 

Latest article