Wednesday, July 17, 2024

Passeando por Milão: Dunhill, Tod’s, Mordecai e Santoni

Must read

Traduzido por

Helena OSORIO

Publicado em



18 de jun. de 2024

Num domingo movimentado em Milão para a moda masculina, quatro marcas chamaram a atenção, especialmente pela utilização inovadora e inesperada de materiais: Dunhill, Tod’s, Mordecai e Santoni.
 

Dunhill: o cavalheiro está de volta

 
Roupa masculina perfeita para os compradores – e não há nada de errado nisso – com a assinatura da Dunhill, uma marca que está totalmente em sintonia com o novo gosto pela elegância cavalheiresca.

Dunhill – Primavera-Verão 2025 – Menswear – Milão – ©Launchmetrics/spotlight

Esta coleção é a segunda proposta concebida para a marca britânica pelo diretor criativo Simon Holloway. Na estação passada, o estilista organizou a apresentação por baixo de pinturas a óleo clássicas no Museu Britânico em Londres. No domingo passado, revelou o vestuário para a primavera-verão num jardim milanês escondido e verdejante, pontilhado de estátuas.
 
No entanto, a sua estética manteve-se constante: hiper-sartorial chique. Desde o casaco de safari em camurça usado com calças de ganga brancas, ao estilo de David Hemmings, de Blow Up, até ao fato de três peças cinzento claro usado com sapatos de bowling. Muito equipamento masculino essencial: desde uma pasta de couro polido com sapatos de monge devidamente envelhecidos a uns fantásticos guarda-chuvas com pegas em estanho com a forma de um bulldog britânico. Bem, chove muito em Blighty.

Holloway também brincou com o fato “Bourdon”, a assinatura da maison, em versões com um e dois botões.
 
Mas o que tornou esta coleção inovadora foi a utilização muito particular de tecidos muito leves em modelos clássicos de espinha de peixe, vidros e Glencheck. Até ao casaco de jantar muito leve com micro bolinhas, a estrela dos looks de noite.
 
“Produzido nos moinhos históricos de Somerset, Yorkshire e Biella, a evolução do material anuncia o foco da maison em apoiar o artesanato na arte dos têxteis”, salientou Holloway nas suas notas de programa.
 
Acima de tudo, depois de meia dúzia de temporadas pós-pandemia em que os homens tiveram de renunciar aos fatos e usar roupas adequadas para trabalhar a partir de casa, foi refrescante ver algo tão refinado, intencional e assertivo. Para os amantes do estilo pós-anglo, não há necessidade de se preocuparem com onde encontrar o seu guarda-roupa. A Dunhill satisfaz todas as necessidades.
 
“Estes não são fatos básicos para ir para o escritório. São roupas para se divertirem, para uma vida bem vivida”, concluiu Holloway.

Tod’s: inteligência artesanal

A Tod’s organizou uma apresentação elegante numa instituição de arte em Milão, a PAC, onde artesãos coseram habilmente os mocassins clássicos da marca. Só as suas mãos podiam ser vistas.

Tod’s, Primavera-Verão 2025 – DR

Uma brincadeira inteligente com o tema da marca desta estação, que consiste em juntar a inteligência artificial e o artesanato, em vez de deixar que a inteligência artificial domine sozinha o nosso futuro.
 
“É fundamental para a nossa marca e para todos os nossos funcionários adotar e compreender a inteligência artificial, mas nunca deixar que esta controle quem somos e o que defendemos”, explicou Diego della Valle, CEO da Tod’s.
 
“Vemos que a inteligência artificial pode trazer grandes benefícios, como em todos os avanços da ciência moderna, como na medicina. Mas é essencial manter todos os nossos valores de artesanato e inteligência artesanal. Temos de manter o nosso pessoal no centro das nossas atenções”, acrescentou Diego.
 
Uma reação a este pensamento é o projeto “Pashmy”, no qual a Tod’s pesquisa e seleciona os tecidos mais macios e sedosos, que fazem lembrar o toque delicado de uma pashmina. O projeto “Pashmy” é apresentado numa elegante gama de vestuário exterior. A coleção marcou a estreia na moda masculina do diretor criativo Matteo Tamburini, que se concentrou na elegância italiana intemporal, criando um guarda-roupa bastante convincente. Os destaques foram algumas fantásticas túnicas de camurça com golas em funil e bolsos de remendos. Também muito cool foram os blazers e casacos de camisa em camurça azul Cyan forrados com uma membrana e selados a quente.
 
A Tamburini teve a autoconfiança de brincar com o icónico “Gommino” numa nova versão sabotada. E com uma série arrojada de acabamentos em esmalte para os mocassins clássicos; bem como uma nova versão mais incisiva do emblema metálico com o logótipo T.
 
Uma estreia celebrada com um jantar divertido no “Il Baretto”, o restaurante milanês do momento, regado com um excelente Barolo tinto de 2019 denominado “Lo Zoccolaio”. Perfeito para uma marca de calçado que também cria tamancos de moda.
 

Mordecai: nasce uma estrela

 
Quando pensávamos que iríamos cair no tédio depois de um fim de semana de elegância refinada mas previsível, eis que surge Ludovico Bruno, da Mordecai, que apresenta uma nova e grande afirmação do vestuário masculino nómada e guerreiro.

Mordecai, Primavera-Verão 2025 – DR

“Essencialmente, a minha silhueta tem a forma de um oito”, explica Bruno, que confeciona peças de vestuário de grandes dimensões com mangas raglan para melhor imitar a figura do oito.
 
Esta forma pode ser vista em casacos de inspiração safari, casacos militares acolchoados e uma gama brilhante de looks de artes marciais de inspiração asiática. Todos feitos de sedas lavadas, lã cozida e materiais tecnologicamente tratados.
 
“Gosto de desporto, artes marciais e uniformes. Fiquei realmente fascinado pelos médicos indianos que usam uma camisa branca de algodão até ao joelho com um colarinho alto, tão elegante”, explicou este milanês ruivo.
 
Ludovico passou 10 anos no departamento de design da Moncler, desenhando a coleção “Genius” da marca e, de facto, a Mordecai oferece alguns casacos de penas frescos e imprevisíveis com secções centrais enroladas, feitos em amarelos desbotados e caqui claro. As golas altas apareceram por todo o lado – desde casacos de judo almofadados a quimonos de seda rígida. Tudo peças de vestuário que fazem com que o utilizador se sinta mais poderoso.
 
São frequentemente fabricadas em Itália, mas ocasionalmente, como no caso das Mackintoshes técnicas de nylon e dos fatos de piloto com vários bolsos, as peças de vestuário da Mordecai são fabricadas na China. Porque Bruno acredita que esse país é o melhor no acabamento das costuras das peças tecnológicas.
 
Tudo completado com a sua assinatura: uma risca tripla de largura irregular. Vistas nas calças cargo esculpidas, dignas do seu herói Brancusi, que são o seu produto mais vendido. Uma coleção fantástica e inesperada que se prolongou até uma peça de vestuário de quarto digna da alta costura, feita de couro raspado super bizarro que parecia terylene.
 

Santoni: crescimento através de cores vivas

 
Uma coleção elegante, sofisticada, mas sabiamente sensata, relevante e prática da Santoni, a marca de calçado com mais panache na moda masculina milanesa.

Santoni, Primavera-Verão 2025 – DR

As últimas ideias de estilo da empresa Marche incluem mocassins de camurça cinzenta stucco e wingtips com solas esponjosas confortáveis. Ou slip-ons suaves e elegantes em pele polida em tons como o verde petróleo ou o pêssego queimado – com costuras laterais cor de laranja. Inovando em direção a novos horizontes, um novo modelo de sandálias encontra-se com a clássica sandália de monge com uma fivela dupla, tudo apresentado dentro de uma galeria Liberty rebatizada Piazza Santoni por um dia.
 
Todos os sapatos Santoni têm a caraterística sola cor de laranja, exceto os que têm sola de borracha, que passam a ter logótipos Santoni cor de laranja.
 
“Continuamos a ser formais, mas gostamos de jogar muito com as cores. Clássico, mas com uma interpretação casual“, explicou o exuberante diretor executivo Giuseppe Santoni.
 
Para ele, o crescimento futuro da marca passa pelo calçado de senhora, um aumento da distribuição e mais artigos em pele, como os excelentes weekenders em pele tecida, sempre em novas cores, como o azul milho e o laranja sangue.
 
“O nosso objetivo é ter mais pontos de venda e mais clientes que apreciem o valor da marca”, acrescenta Giuseppe.

Em sucessão, a Santoni planeia abrir uma loja na New Bond Street, em Londres, esperemos que até ao final do ano, e outra em Doha. Recentemente, a empresa reposicionou-se em Nova Iorque e, no início deste ano, abriu lojas monomarca no Kuwait e em Marbella. Os investimentos económicos foram significativos.
 
Tudo continua a ser produzido em Corridonia, a principal fábrica da Santoni na região de Marche.
 
“No Made in Italy, o feito não é importante. São as mãos e a cabeça que fazem a diferença e a cultura que está por detrás, e é por isso que tem de ser produzido na nossa fábrica”, sublinhou.
 
A essência do ADN da Santoni é que o verdadeiro luxo e a qualidade residem no produto. Sem tretas”, insistiu o sempre direto Giuseppe, ostentando o seu pin de Cavaliere del Lavoro – uma honra que lhe foi concedida há três anos – na lapela do seu fato branco trespassado.
 
Como é que conseguiu (perguntamo-nos) bater o CEO da Louis Vuitton, Pietro Beccari, que irá receber o mesmo prémio este outono?
 
“Consigo fazer sapatos melhores do que ele!”, riu-se.
 

Copyright © 2024 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Latest article