Wednesday, July 17, 2024

Paris Fashion Week: Auralee elogia o quotidiano, Valette Studios revisita a alfaiataria e Études Studio assume vestuário de artista

Must read

Traduzido por

Helena OSORIO

Publicado em



19 de jun. de 2024

A semana da moda masculina de Paris arrancou em grande estilo na terça-feira, 18 de junho, com o aguardado desfile da Louis Vuitton. Mas, para além deste peso pesado, o primeiro dia foi também uma oportunidade para descobrir algumas pepitas, incluindo a marca japonesa Auralee, que faz a sua segunda aparição no calendário parisiense, e a jovem maison de moda francesa Valette Studio, que fez parte do programa de apresentações. Ambas apresentaram as suas coleções para a primavera-verão 2025, tanto para homem como para mulher. O dia também assistiu ao regresso do trio Études Studio, que se apresentou no Palais de Tokyo após um hiato na última temporada.

Auralee simples e no sítio certo

Auralee, primavera-verão 2025 – ©Launchmetrics/spotlight

 
Este segundo desfile em Paris confirma o talento de Ryota Iwai, cuja marca se está a tornar rapidamente uma das mais cool da cena parisiense. Elegantes ou descontraídas, utilitárias ou formais, essenciais e sofisticadas ao mesmo tempo, as roupas da Auralee parecem estar sempre no sítio certo à hora certa, perfeitas na sua simplicidade.
 
Para revelar a sua nova obra, o designer japonês convidou o público para uma mansão privada no 7.º Arrondissement, onde Karl Lagerfeld viveu em tempos. Uma série de salões, todos com candelabros e dourados, têm vista para um jardim verdejante. As portas de vidro abrem-se para revelar um ácer, com as suas folhas verdes brilhantes a tremerem com a brisa suave. O cenário perfeito para esta coleção, inspirada em todos os diferentes tipos de pessoas que se podem encontrar num parque.

Quando os primeiros modelos passam em frente a esta paisagem poética, é como se fôssemos transportados para o filme “Perfect Days” (Dias Perfeitos), rodado por Wim Wenders em Tóquio, onde o protagonista, um homem comum, faz muitas vezes uma pausa nos parques urbanos da megalópole para saborear a sua beleza, ora tirando uma fotografia, ora colhendo uma muda. É este mesmo elogio da vida quotidiana e da sua beleza que encontramos na passerelle.
 
Neste parque, encontramos o sonhador, que parece ter acabado de sair da cama, com o seu grande casaco puxado por cima do pijama de lã macia e de xadrez pequeno, o homem de negócios de camisa azul e fato preto, caneta no bolso, jornais debaixo do braço, e a sua congénere feminina de fato de calças rigoroso, gravata e camisa às riscas. O desportista, de calções e corta-vento de nylon verde-água ou parka em vermelho vivo. O estudante, de bermudas e camisa xadrez, com uma camisola de malha canelada ao pescoço, segura um livro na mão, enquanto o jovem romântico veste uma malha grossa de algodão e calças chino, uma das peças-chave da coleção.
 

Auralee, primavera-verão 2025 – ©Launchmetrics/spotlight

Nesta estação, surgem várias peças em pele, como os calções largos ou um pequeno casaco de camurça sobre um fato clássico, os confortáveis casacos de pele chocolate com bolsos grandes e, sobretudo, umas bolsas soberbas, soltas, quase sem costuras, usadas penduradas nas costas ou transportadas à mão.
 
“Para ir de bicicleta para o trabalho, passo pelo parque Yoyogi, em Tóquio, e enquanto tomava nota das pessoas que o frequentavam, tive a ideia de explorar todas estas personalidades, cada uma diferente, mas todas reunidas no mesmo sítio. Tentei encontrar o equilíbrio certo entre o uniforme de homem de negócios e uma atitude mais descontraída, e fui bastante influenciado pelo estilo preppy e vintage“, explica Ryota Iwai, que, como sempre, levou a pesquisa têxtil muito longe.
 
A empresa, que fabrica os seus próprios tecidos através da aquisição de fios e fibras dos melhores fornecedores do mundo, desde o Peru para a alpaca, à Nova Zelândia e Escócia para a lã, e à Mongólia para a caxemira, quis desafiar as fibras com que trabalha habitualmente para encontrar formas de as utilizar no seu guarda-roupa de verão. O resultado é uma série de peças de lã exageradamente suave e fina que, à distância, parecem quase algodão.

O spencer segundo Valette Studio

 

Valette Studio, primavera-verão 2025 – ©Launchmetrics/spotlight

A Valette Studio também organizou um elegante salão no Normandy Hotel, mas com um carácter diferente. A marca regressa aos seus fundamentos, nomeadamente a alfaiataria casual. O designer Pierre-François Valette centrou-se numa peça icónica do vestuário masculino, o spencer e, mais amplamente, o casaco, que reinventou através de uma série de detalhes e invenções.
 
O casaco de smoking preto é encurtado e combinado com calças de veludo estampadas com efeito damasco. O spencer branco foi minimizado, sem botões, e usado com calças cropped de voile de algodão. Há também um casaco metálico, como se estivesse mergulhado em prata líquida, leve e fluido em jersey. E não esqueçamos o blazer azul-marinho, com novas proporções. Todos estes casacos chiques do guarda-roupa masculino tradicional podem ser usados por cima de uma camisola de alças ou de uma camisa para o próximo verão. As T-shirts estão fora de moda nesta estação.
 
Um spencer de lã sem pregas estende-se em dois longos painéis que se atam ou cruzam majestosamente na cintura, ou sobem sobre os ombros como uma estola, redefinindo a silhueta. Outros casacos estão disponíveis como coletes, sem mangas ou com mangas encurtadas. O spencer curto destaca as calças de cintura alta. Em particular, o criador propõe uma nova versão das calças de marinheiro, com a parte da frente dobrada para baixo, mantendo as calças fechadas na cintura.
 
Há também casacos de trespasse, disponíveis numa versão oversized para mulheres, usados sobre vestidos drapeados. As mulheres não hesitam em roubar o cinto do casaco de jantar do seu companheiro e usá-lo como top. Uma peça chique e fácil, que deverá estar na moda no próximo verão. “Nesta estação, os homens e as mulheres são diferentes”, explica Pierre-François Valette. “Fiz sobressair todos os volumes dos casacos Valette e defini-los bem, modernizando os tecidos de alfaiataria. Ter uma boa aparência, mas mantendo a simplicidade, é a parte mais complicada”, diz.

As inspirações nova-iorquina da Études Studio

Para esta coleção, a Études Studio colaborou com The Kitchen e Andy Warhol – FNW

A Études está de volta à Paris Fashion Week. Depois de um hiato na última temporada, a marca francesa, liderada pelo trio Jérémie Egry, Aurélien Arbet e José Lamali, apresentou uma dupla proposta no Palais de Tokyo na terça-feira. Após uma pausa, durante a qual o universo da marca e alguns dos seus códigos de identidade foram revistos, e o seu nome afirmado como Études Studio, a marca revelou as suas propostas N.°24 e N.°25 numa performance que combinou música ao vivo (interpretada por Pierre Brujeau Megabasse), desfile de moda e dança.

“Estamos a afirmar a nossa prática de sermos multidisciplinares, utilizando vários meios e colaborando com outras entidades, marcas e criativos. No fundo, afirmar este nome é a forma correta de nos definirmos”, explica Aurélien Arbet, que salienta que a pausa foi necessária para ter tempo para fazer as coisas como deve ser. O que há de específico nesta apresentação é a ideia de oferecer um vestuário de artista. Oferecer um guarda-roupa que uma pessoa criativa possa querer usar no dia a dia”.

Para esta coleção, fruto de duas temporadas de exploração, o trio, que desde o seu início tem jogado com diferentes universos criativos, propõe um guarda-roupa para artistas. A coleção é largamente inspirada em referências americanas, tanto nas silhuetas que jogam claramente com os códigos do streetwear americano, como em duas colaborações. A primeira é com The Kitchen, um local de experimentação artística em Nova Iorque, expressa em estampados de imagens foscas e pormenores de obras de arte a preto e branco. A segunda é uma exploração da iconografia de Andy Wharhol. Meia dúzia de peças apresentam reproduções de Polaroids feitas pelo génio da Pop Art.

“Para nós, a Factory sempre foi um ponto de referência e uma inspiração na nossa abordagem criativa, reunindo vários meios. Também nos inspirou a misturar arte e comércio”. É um tributo adequado ao papel da Études Studio como um figurinista de artistas.

A Études Studio esforça-se por evitar os clássicos – FNW

A marca explora os limites entre as inspirações da alfaiataria e o vestuário utilitário. As peças clássicas do vestuário de trabalho são confecionadas em materiais nobres, esbatendo as fronteiras entre o vestuário formal e o artístico. Algumas peças, como uma camisola sem mangas e umas calças cargo, foram retiradas do colarinho ou marcadas nas pernas, como se tivessem sido sujeitas a uma experimentação artística. 

Os criativos vestidos na Études Studio escolhem desde bombers de cetim e casacos compridos de lã usados com um cachecol enorme, a grandes casacos de penas sem mangas usados sobre um capuz e calças largas, flocadas com o E da Études e combinadas com um par de botas de caminhada Keen. O jogo de tintas e lavagens, em castanhos, cinzentos, azuis e pretos, e as camadas, dão à coleção um forte toque de streetwear, contrabalançado por algumas camisas de botão por baixo dos casacos de ganga.

A ganga é um elemento essencial desta coleção. A Études Studio esforça-se por evitar os clássicos: os casacos usados sobre capuzes são abordados com cortes largos, os bolsos práticos em locais originais acrescentam um pormenor interessante à construção da silhueta. Entretanto, o corte e a construção das calças (mais uma vez com recortes e sobreposições) exploraram as possibilidades, longe dos cinco bolsos. No final de uma dança coletiva elíptica, a única pessoa que restava no grande estúdio aberto era um jovem, vestindo um casaco cor-de-rosa tingido e calças de ganga. É uma peça poderosa que poderia facilmente ser vista numa estrela do Hip Hop.

José Lamali, Jérémie Egry e Aurélien Arbet – FNW

Ainda detida maioritariamente pelo seu trio de gestores, a marca francesa fundada em 2012 conta com mais de uma centena de retalhistas em todo o mundo, nomeadamente na Europa, mas também na Ásia. Na China, após a abertura de duas lojas com o seu parceiro DF360, a Études Studio vai inaugurar várias novas boutiques até ao final do ano, e terá meia dúzia de pontos de venda dentro de um ano. A marca está também a olhar para a Coreia do Sul para acelerar a sua expansão internacional. A coleção apresentada na terça-feira deverá agradar aos clientes sul-coreanos.
 

Copyright © 2024 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Latest article