Wednesday, May 22, 2024

No Norte de Portugal, World of Wine oferece conhecimento e entretenimento com alto teor alcoólico

Must read

De enólogos a turistas entusiasmados, o WOW – World of Wine, em Portugal, oferece diversão para todos. Mas o destaque, como o próprio nome já diz, vai para quem não se importa em apreciar um bom vinho de vez em quando. 

+ Orlando para adultos: confira atividades fora do óbvio na cidade mais visitada dos EUA

+ Delta One: novo menu da classe executiva leva aos ares pratos cheios de brasilidade

Inaugurado em 2020, o complexo está localizado em Vila Nova de Gaia, às margens do Rio Douro. A travessia, de dois minutos de barco ou uma rápida caminhada pela Ponte de D. Luís, leva o visitante à ribeira do Porto. Mas quem prefere um passeio mais tranquilo, longe do fervor do centro, pode desfrutar de um turismo sofisticado no quarteirão cultural. 

Nascido da renovação de antigos armazéns de vinho do Porto, o WOW conta com sete museus e 12 bares e restaurantes, além de inúmeras lojas, escola de vinho e até mesmo sua própria fábrica de chocolates. A cereja do bolo é fazer tudo isso com a vista do Porto, que é de tirar o fôlego. A entrada no complexo é livre, e vale visitá-lo nem que seja para tomar um drink apreciando o entardecer no Bar da Praça. 

A ideia é tirar pelo menos um dia inteiro para explorar todas as surpresas do WOW. Apesar de esse período não ser suficiente para descobrir os segredos de cada cantinho do complexo, ele já rende um bom passeio para toda a família. 

Roteiro: o que fazer em um dia no ‘Mundo do Vinho’

The Bridge Collection

The Bridge Collection (Crédito:Beatriz Mizuno)

Comece o dia no The Bridge Collection, um museu que, apesar do nome, não tem nada a ver com pontes. Ele é batizado em homenagem a Adrian Bridge, CEO do grupo empresarial The Fladgate Partnership, que administra as marcas de vinho Taylor’s, Fonseca, Croft e o WOW. Além de administrador de empresas, Bridge é dono de uma coleção pessoal de copos e recipientes históricos de valor inestimável. 

Apesar de ser descrito como o “museu dos copos”, o The Bridge Collection é uma viagem no tempo através dos costumes humanos. A jornada começa pela peça mais antiga, um recipiente de cerâmica do período Jomon, de  7.000 a.C. 

The Bridge Collection: recipiente de cerâmica do período Jomon, serviço de mesa St. Louis e pendente viking de ouro usado em colares
The Bridge Collection: recipiente de cerâmica do período Jomon, serviço de mesa St. Louis e pendente viking de ouro usado em colares (Crédito:Beatriz Mizuno)

A partir daí, os visitantes se deparam com “9.000 anos de libação”, passando por mais de dois mil recipientes encontrados por Bridge ao longos dos anos — cada um de um período da humanidade e com curiosidades fascinantes.

O museu fica aberto das 10h às 19h e tem visitas guiadas todos os dias, às 11h e às 15h. O audioguia também está disponível em português, inglês, espanhol e francês. Os bilhetes individuais custam a partir de 20 euros para adultos, mas também vale adquirir o pack família ou o pack visita a dois museus. Saiba sobre valores e como comprar aqui.

Pink Palace: o museu do rosé

Pink Palace
Pink Palace (Crédito:Beatriz Mizuno)

Após finalizar o tour pelo The Bridge Collection, a dica é visitar o Pink Palace antes do almoço. Descrito como uma experiência “extravagante e excêntrica”, o museu é um mergulho lúdico e didático pela história do vinho rosé.

De maneira interativa e instagramável, cada uma das cinco salas mostra a história e a produção dos rosés no mundo. Na entrada, cada visitante ganha uma pulseira com cinco pins removíveis, e pode degustar cinco vinhos que variam do mais leve ao mais encorpado. 

O museu fica aberto das 10h às 19h, de segunda a quinta e domingo, e às 22h às sextas e sábados. O audioguia também está disponível em português, inglês, espanhol e francês. Os bilhetes individuais custam a partir de 20 euros para adultos, mas também vale adquirir o pack família ou o pack visita a dois museus. Saiba mais aqui.

Barão Fladgate

Barão Fladgate
Barão Fladgate (Crédito:Beatriz Mizuno)

Após uma manhã de conhecimento, delicie-se com a cozinha contemporânea portuguesa do Barão Fladgate. A recomendação é o Polvo das águas do Algarve com batata gratin e chirívia, pipoca de torresmo, paparis, couve galega, feijão verde com linguiça e molho de agrião e bordalesa (30 euros) e o Taylor’s Chip Dry & Tonic (4 euros).

O Barão Fladgate funciona todos os dias, das 12h30 às 15h e das 19h às 22h. Reserve aqui.

Vinte Vinte Café

Vinte Vinte Café
Vinte Vinte Café (Crédito:Reprodução/WOW)

Para prolongar o descanso entre passeios, a sobremesa tem que ser no Vinte Vinte Café, que fica no mesmo prédio do Museu do Chocolate e da fábrica de chocolates Vinte Vinte. Por lá, vale desfrutar dos preparos à base de chocolate, como cookies, brownies e chocolate quente.

The Wine Experience

The Wine Experience
The Wine Experience (Crédito:Beatriz Mizuno)

A próxima parada é indispensável: o museu do vinho, que, depois de um passeio cheio de conhecimento, premia seus visitantes com uma deliciosa degustação final.

O tour pelo The Wine Experience começa na anatomia da uva e se dedica a explicar todo o seu ciclo de vida. Além disso, visitantes participam de um verdadeiro mergulho pela história dos vinhos, entendendo como as condições de cada zona do globo influenciam a produção da bebida, quais tipos de solo são favoráveis às vinhas e até mesmo como funciona o engarrafamento.

No segundo piso, o museu mostra a história dos vinhos em Portugal, com charmosas salinhas decoradas a rigor de cada região portuguesa. A cereja do bolo são as experiências sensoriais, com o teste de sabores e teste olfativo, além, é claro, da prova de vinhos final.

Mira Mira by Ricardo Costa

Mira Mira by Ricardo Costa
Mira Mira by Ricardo Costa (Crédito:Beatriz Mizuno)

A última parte do roteiro é inegociável. Esqueça tudo o que você sabe sobre menus degustação e vá de cabeça aberta ao Mira Mira by Ricardo Costa, do chef que já comandou o The Orangerie, restaurante duplamente estrelado pelo Guia Michelin. Por lá, uma cozinha cosmopolita e saborosa é o resultado da liberdade criativa adotada pelo chef.

O menu degustação está disponível nas versões de quatro tempos (80 euros) e oito tempos (150 euros), que podem ser combinados com harmonizações de vinhos de 60 a 150 euros. Apesar disso, quem preferir o menu à la carte também encontrará opções de entradas, pratos principais e sobremesas no cardápio. Reserve aqui.

Valem a visita

WOW Porto
WOW Porto (Crédito:Beatriz Mizuno)

Quem cumpriu roteiro de um dia no WOW e ficou com gostinho de quero mais pode retornar sem medo, pois lá existem passeios para dois ou três dias. Por isso, vale incluir no roteiro de um segundo dia:

  • Planet Cork: o museu, que conta a fascinante história das rolhas de forma didática e divertida, é ideal para quem visita o WOW com crianças. Por lá, o visitante aprende como é feito o descortiçamento dos sobreiros, árvores de onde é extraída a cortiça, e como ela é versátil;
  • Pip: descontraído restaurante com pratos rápidos e descomplicados. Destacam-se as pizzas, hambúrgueres e saladas, além da vista esplanada para o Rio Douro;
  • 1828: renomada steakhouse de Gaia, o 1828 privilegia os melhores cortes de carne maturada, harmonizados com vinhos do Porto Vintage. O ambiente é decorado com itens que remetem à Guerra Civil Portuguesa;
  •  The Wine School: a escola do vinho tem especialistas prontos para instruir conhecedores e inexperientes em uma “jornada imersiva sobre vinhas, variedades, aromas, sabores e tradições”. Além de cursos práticos e até mesmo a certificação WSET, diversas provas exclusivas podem ser personalizadas a gosto de cada grupo. Confira aqui.

*A jornalista viajou a convite do WOW

Latest article