Wednesday, June 19, 2024

Cientistas explicam clarão que iluminou os céus de Portugal e Espanha

Must read

O enorme clarão que iluminou os céus de Portugal e Espanha, na noite de sábado (18), foi gerado por um corpo rochoso –  um meteoroide – de um cometa que atingiu a atmosfera a cerca de 161 mil km/h.

Segundo dados do Instituto de Astrofísica de Andaluzia (IAA-CSIC), o corpo celeste começou a uma altitude de cerca de 122 km sobre a localidade de Don Benito, província de Badajoz, na Espanha, deslocou-se para noroeste, atravessou Portugal e terminou a uma altura de cerca de 54 km sobre o Oceano Atlântico.

Mas, ao contrário do que se foi especulando esta manhã, e apesar de a Proteção Civil ter chegado a dar o alerta e de ter feito buscas noturnas, as informações do projeto SMART – operado pela Southwestern Europe Meteor Network (SWEMN) a partir das estações de observação de meteoros localizadas em Huelva, La Hita (Toledo), Calar Alto, Sierra Nevada, La Sagra (Granada), Sevilha e Marçà (Tarragona) – informam que nenhum fragmento chegou ao solo. 

O acontecimento foi analisado pelo pesquisador responsável pelo projeto SMART, o astrofísico José María Madiedo, do Instituto de Astrofísica da Andaluzia IAA-CSIC.

A  análise revelou que o fenômeno ocorreu quando um corpo rochoso entrou na atmosfera terrestre a uma velocidade de cerca de 161 mil quilômetros por hora, e com uma trajetória quase nivelada, com uma inclinação de apenas cerca de dez graus em relação à horizontal.

O corpo rochoso provinha de um cometa e quando estas rochas atingem a atmosfera são chamadas ‘meteoroides’, explica o Instituto.

“Quando bateu no ar a esta velocidade, a superfície da rocha (o meteoroide) aqueceu e tornou-se incandescente. E foi essa incandescência que se manifestou sob a forma de uma bola de fogo”, explica.

Ao longo da sua trajetória, apresentou várias explosões que provocaram aumentos súbitos da sua luminosidade e que se deveram a várias rupturas abruptas da rocha. A distância total que a bola de fogo percorreu na atmosfera terrestre antes de se extinguir foi de cerca de 500 km.

Leia Também: Clarão ilumina o céu de Portugal e intriga internautas

Latest article